Por Leandro Querido. Diretor Executivo da Transparência Eleitoral da América Latina

O mundo está navegando em águas pouco exploradas. A incerteza assume todas as ordens de uma vida que se tornou desordenada. Nesse contexto, muitas pessoas e instituições buscam se adaptar aos novos tempos. No que diz respeito à Transparência Eleitoral, estamos interessados em alertar o que está acontecendo e o que poderia acontecer com os processos eleitorais.

Bolívia, Paraguai, Uruguai, Chile e República Dominicana adiaram as datas de suas respectivas eleições agendadas para esses dias. Cerca de 50 processos eleitorais foram adiados no mundo. Entre eles os regionais da Espanha e os municipais da Inglaterra e França.

Para surpresa de muitos, a Coréia do Sul realizou suas eleições legislativas em 15 de abril com uma participação recorde e os Estados Unidos mantêm suas eleições primárias, embora com alguns reescalonamentos do calendário.

Nesse contexto, a Transparência Eleitoral realizou uma série de conferências virtuais onde foram consultadas autoridades eleitorais e especialistas de empresas que desenvolvem soluções tecnológicas para eleições. Como resultado, podemos esboçar algumas considerações sobre o que o futuro imediato pode conter, caracterizado por incerteza e instabilidade.

O primeiro ponto que surge é o da qualidade institucional. Espera-se que, assim como um sistema de saúde sólido esteja em melhores condições para enfrentar o problema do vírus originado na China, os países com uma institucionalidade eleitoral robusta estarão em melhores condições para se adaptar a esse novo e complexo cenário que não afetará apenas o calendário eleitoral de 2020, mas também o calendário de 2021. Vamos lembrar que na América Latina há autoridades eleitorais que têm sérios problemas para fazer eleições em condições normais. Os últimos processos eleitorais na Bolívia e na República Dominicana são apenas alguns exemplos.

A tecnologia é um aliado essencial para se adaptar ao novo cenário. O processo de incorporação de tecnologia já havia começado na região. A maioria dos países modernizou seus processos, adaptando-se às mudanças tecnológicas nas quais o mundo já estava; Mas agora a pandemia pode acelerar esse processo que estava focado no estágio de distribuição logística do material eleitoral, na identificação dos eleitores ou no processamento e transmissão de resultados. Hoje o problema está em outro lugar: na aglomeração de pessoas. É por isso que a discussão agora envolve evitar a concentração de eleitores e preservar a saúde do pessoal eleitoral, sejam eles gerais ou oficiais de mesa.

Nesse sentido, dois tipos de iniciativas podem ser adotados, alguns estruturais e outros de conteúdo. Os primeiros requerem reformas nas regras – portanto, transitam por um canal específico – e os últimos são ações que podem ser realizadas pela própria autoridade eleitoral.

Os processos eleitorais tradicionais baseiam-se no critério do manualismo eleitoral, onde o papel e o contato físico ou o ato presencial dos eleitores é o atributo mais característico. Hoje, precisamos de uma revisão desse modelo.

Um processo eleitoral é dividido em três etapas: pré-eleitoral, eleitoral e pós-eleitoral. Por sua vez, podemos detectar uma média de 53 instâncias divididas nos três estágios mencionados em qualquer processo. 29 deles supõem algum nível de contato físico que possa envolver focos infecciosos que ameacem a segurança do processo eleitoral. Como veremos, muitos desses casos são suscetíveis a alterações destinadas a evitar ou reduzir a ameaça de contágio.

Atualmente, nem tudo é manualismo eleitoral. Encontramos experiências bem-sucedidas que, com inovação e apego à integridade eleitoral, mudaram o paradigma das eleições. O caso da Estônia é inspirador. Há 15 anos, a votação eletrônica remota foi implementada como uma alternativa à votação presencial com uma cédula em papel. Nas últimas eleições de 2019, 44% dos eleitores votaram pela internet, através de seu aplicativo para PC ou telefone celular. Eles fizeram isso com sucesso de 145 países diferentes e desafiando a ameaça da Rússia em termos de interferência tecnológica. Note-se que a Estônia não aboliu a votação manual: acrescentou a votação eletrônica remota como mais uma opção. Um tipo de serviço adicional ao eleitor que, pelo que se observa, é notório em termos de crescimento entre eleição e eleição.

Em nosso continente, também temos mudanças interessantes em andamento. O México tem um manualismo eleitoral pesado, que resulta em filas e concentração de pessoas, e que fornece os resultados muito tarde, forçando as autoridades da mesa a realizar um trabalho avassalador. No entanto, os mexicanos no exterior poderão votar de maneira mais amigável e segura. O Instituto Nacional Eleitoral desenvolveu um sistema de votação eletrônica on-line para que cidadãos residentes no exterior registrados em determinados estados possam votar em seu governador nas eleições regionais de 2021. Uma mudança substancial que dividirá as águas entre os eleitores que continuarão votando como no século XIX e naqueles que entram no século XXI.

No federalismo profundo dos Estados Unidos, há experiências de todos os tipos. Os mais inovadores são encontrados nas experiências de votação antecipada (early voting). A votação antecipada permite que o eleitor vote nos dias anteriores à data estabelecida. Essa iniciativa evita a concentração de eleitores de maneira vigorosa. Essa modalidade pode ser feita em um posto eleitoral no qual o eleitor deve comparecer a exercer o voto ou pode ser feito por correio. A votação antecipada é uma iniciativa que funcionou e está sendo usada cada vez mais. Nas últimas eleições presidenciais dos Estados Unidos (2016), quase 40% dos eleitores o fizeram por essa modalidade. Para essas eleições de 2020, você poderá votar por correio em 35 dos 50 estados, o que representa nada menos que 70% deles. Notavelmente, Colorado, Oregon, Washington, Havaí e Utah realizam todas as suas eleições pelo correio.

A pandemia aprofundou essa tendência e um fundo federal especial está sendo debatido na Câmara dos Deputados para financiar a crescente demanda dos eleitores para votar sob essa modalidade.

Volto à preocupação inicial. Em quantas instâncias do processo eleitoral podemos avaliar iniciativas para reduzir possíveis instâncias de focos infecciosos? No estágio pré-eleitoral, devemos avaliar novos protocolos sobre registro de eleitores, avaliação de centros de votação, operações de armazenamento de material, acreditações eleitorais, registro de partidos e candidatos, produção e armazenamento de cédulas, treinamento de pessoal local votação e treinamento de eleitores. Por outro lado, no estágio eleitoral, as mudanças podem ser direcionadas à logística e distribuição, ao voto, à autenticação de eleitores, à votação, escrutínio, encerramento do processo e preparação de atas, auditoria, verificação de resultados e processamento e processamento e transmissão de resultados.

Entre as alternativas concretas a serem implementadas, podemos destacar a coleta de informações dos centros de votação para estabelecer protocolos que garantam distâncias que reduzam os riscos de contágio, a redução do número de eleitores nos centros de votação, treinamento on-line e avaliação do funcionários temporários para a eleição, incorporação da tecnologia de registro e identificação de eleitores, para minimizar o contato. Além disso, o credenciamento de observadores eleitorais por meio de plataformas tecnológicas baseadas na validação do documento de identidade e biométrico (foto) que contrasta com um repositório oficial. Protocolos para mitigar contágios durante a cédula, armazenamento e distribuição de materiais, mecanismos de desinfecção (injeção de ozônio) das áreas operacionais, protocolos para garantir que os eleitores e outros atores salvaguardem sua saúde: telas de acrílico nas mesas de votação , marcadores de voto descartáveis, desinfecção por UV, máscaras, luvas, distância social, etc.

Outro aspecto a ser destacado é a possibilidade de digitalização da ata para que os centros de processamento não possuam material potencialmente contaminado, instrumentos alternativos de votação como o voto antecipado acima mencionado, ou seja, voto por correio ou votação online.

Finalmente, e depois de todas as iniciativas possíveis para avaliar, retornamos ao ponto de partida. Todas essas mudanças devem ser feitas de acordo com a integridade eleitoral, que está intimamente ligada à situação das instituições democráticas de cada país. Esse é o verdadeiro desafio, porque o estágio é dividido novamente entre os países que adotam mudanças positivas e inovadoras e os que se aproveitam das circunstâncias para reduzir a competitividade eleitoral e prejudicar os direitos políticos. O vírus da vantagem eleitoral está sempre à procura.

 

Suscríbete a nuestro boletín

Únase a nuestra lista de correo para recibir las últimas noticias y actualizaciones de nuestro equipo.

You have Successfully Subscribed!

Share This